Outubro Rosa: O Que É Mito E Verdade No Tratamento Do Câncer De Mama

A virada do outono para a primavera no Brasil, marca também o início da operação o
”Outubro Rosa”. A campanha, criada nos Estados Unidos nos anos 1990, é dedicada à conscientização e combate ao câncer de mama.

Segundo o INCA, Instituto Nacional do Câncer, a doença é a mais comum entre as
mulheres em todo o mundo e estima-se que uma em cada oito será diagnosticada com câncer de mama ao longo da vida. Somente no Brasil, ainda de acordo com o INCA, 59.700 casos devem ser registrados somente neste ano de 2018.

Com avanços importantes no tratamento e, principalmente, graças ao diagnóstico precoce, hoje, 9 entre dez pacientes entram em remissão com poucas sequelas.

Fatores de risco
Segundo o Inca, não é possível, ainda, atribuir uma razão específica para o surgimento do câncer de mama. Entretanto, sabe-se que fatores como metabolismo, alterações hormonais, idade, sedentarismo, consumo de álcool e alimentação irregular podem contribuir para o desenvolvimento da doença. Histórico de câncer na família é responsável por 10% dos casos.

Diagnóstico é prevenção
Conhecer o próprio corpo pode ajudar a salvar vidas. Cerca de 66% dos casos de câncer de mama são descobertos após a realização do autoexame, segundo o INCA. Este procedimento é capaz de detectar o problema ainda no estágio inicial, aumentando as chances de cura, e é um dos focos da campanha do Outubro Rosa.

Ao perceber qualquer mudança no aspecto da mama ou a presença de algum nódulo nessa região, axila ou pescoço, um médico deve ser procurado. É aconselhável que o autoexame seja feito mensalmente.

É importante ressaltar, entretanto, que o autoexame não substitui procedimentos mais complexos como mamografia, ultrassom de mamas ou biópsia. Ele deve ser considerado como ponto de partida e parte da rotina de cuidados com a saúde da mulher.

Quanto mais cedo o câncer de mama for detectado, maiores são as chances de cura.

Cuidado com as notícias falsas

O Brasil é hoje uma referência no tratamento de doenças de alta complexidade como o câncer. Ele está disponível tanto na rede particular como no Sistema Único de Saúde, o SUS. Os procedimentos mais comuns são a quimioterapia, radioterapia, hormonioterapia ou cirurgia. Os tratamentos podem variar de acordo com cada paciente, não existindo, portanto, um padrão.

Pomadas, cremes, chás, combinação de medicamentos comprados em farmácia ou até mesmo a chamada “pílula do câncer” costumam aparecer na internet como alternativas aos tratamentos convencionais. Não é verdade​. Além de não existirem comprovações de que estes métodos funcionam, somente uma equipe médica multidisciplinar pode determinar quantos e quais tratamentos a paciente deverá ser submetida.

Serviço
Na luta para combater o câncer de mama, o Mello Diagnóstico disponibiliza sete unidades, mais de 3000 exames e parceria com convênios e planos de saúde, com a facilidade de agendar e obter os resultados pela internet sem sair de casa.

Compartilhe Esta Notícia